FUTEBOL: Alegria e frustração; dois sentimentos no torcedor cabeceirense na final do Regional do Noroeste de Minas - Rádio Interativa FM - Cabeceiras - GO
Sejam bem vindos!!
 
Home » , , , » FUTEBOL: Alegria e frustração; dois sentimentos no torcedor cabeceirense na final do Regional do Noroeste de Minas

FUTEBOL: Alegria e frustração; dois sentimentos no torcedor cabeceirense na final do Regional do Noroeste de Minas

Publicado por Bruno Soares na segunda-feira, 27 de novembro de 2017 | 20:21

CEC na categoria sub-18 conquistou o título inédito. Categoria livre não consegue vencer o Riachinho e fica com o vice.


O clima foi quente em todos os sentidos em Riachinho (MG), na região Nordeste do Estado na tarde de sábado (25) na final do Campeonato Regional do Noroeste de Minas, organizado pela Liga Desportiva Unaiense (LDU). Altas temperaturas fora e dentro de campo. Calor humano da torcida que lotou os arredores do Campo Municipal Zé Roxo, quente dentro das quatro linhas na disputa do título e escaldante efeito da natureza com o sol forte e calor que beirava os 40ºC.

Torcida compareceu em grande número para assistir a final (Foto: Kassio Breno/Interativa87)

A final da competição era o assunto da cidade e mudou a rotina dos riachinhenses. A equipe do Interativa87 e da rádio Interativa FM que esteve na cidade mineira para transmitir ao vivo a partida, para os cabeceirenses que não puderam ir, sentiu o clima de decisão na cidade, nos comércios e na rua. O que veio a ser comprovado durante a partida com o campo lotado de torcedores. Muitos cabeceirenses foram até riachinho, percorreram 170 km para empuxar o Cabeceiras Esporte Clube (CEC) que disputou dois títulos, sendo categoria sub-18 e a livre.

(Foto: Kassio Breno/Interativa87)
Por motivo de segurança, segundo a imprensa local, cerca de 20 policiais militares estiveram dando apoio. Além de uma ambulância em caso de alguém passar mal ou um jogador necessitar de remoção especializada para alguma unidade de saúde da cidade ou vizinhas, o que não veio ao caso e o que aconteceu em Riachinho, foi apenas uma bonita festa esportiva, digna de uma final muito disputada.

Já no futebol o torcedor de cabeceirense viveu dois sentimentos opostos, o da alegria e da frustração. A torcida soltou o grito de campeão, mas depois de 100 minutos da euforia do título inédito conquistado pelo CEC na categoria sub-18, veio a tristeza de ter que adiar o grito de tetracampeão na categoria livre.

Título inédito
(Foto: Kassio Breno/Interativa87)

A garotada entrou em campo, às 13h20 debaixo de sol forte com uma boa vantagem construída na primeira partida da final jogando em casa, no estádio Divinão em Cabeceiras (GO), onde venceu o Rio Preto da cidade de Unaí(MG) pelo placar de 4 a 1. Com esse resultado, o CEC podia perder até por dois gols de diferença que conquistava o título, ou perder por três gols e levar a decisão para os pênaltis. Mas não foi o que aconteceu no campo Zé Roxo.

O time jogou, como se a vantagem fosse da equipe adversária, pressionando e buscando o gol a todo momento. Foi um início de jogo aberto, com bons lances de perigo também do Rio Preto que, mesmo tendo apenas um jogador no banco, tentou buscar o objetivo. Mas foi o CEC que abriu o placar ampliando a vantagem. Na cobrança de falta do Têtê pela esquerda, a cola passou pela zaga e a bola desviou no zagueiro Guilherme do CEC abrindo o placar.

(Foto: Kassio Breno/Interativa87)
No placar agregado, o CEC estava vencendo por 5 a 1 e o Rio Preto tinha a tarefa difícil, mas não impossível de fazer 4 e levar a decisão para os pênaltis. A garota do time mineiro não jogou a toalha, eram guerreiros e levavam perigo ao gol defendido por Yuri. E assim terminou o primeiro tempo.

Na segunda etapa, logo no início, o Elbinho perdeu uma chance incrível de faz o segundo gol do CEC. Ele recebeu a bola da direita em passe de Negueba e sozinho, só ele e o gol, pegou mal na bola e subiu demais. Elbinho não acreditou que perdeu o gol e abraçando as redes lamentou o gol perdido. O goleiro Yuri recebeu cartão amarelo por demorar a cobrar o tiro de meta.

A torcida cabeceirense voltou a gritar gol na bela cobrança de falta do Rodrigo pela esquerda, próximo ao bico da grande área. Ele chutou colocado e a bola ultrapassou a barreira e passou rente ao travessão fazendo o segundo gol e ampliando ainda mais a vantagem. Nessa altura da competição, o Rio Preto teria de fazer 5 gols, mas não estava fácil e ainda teve que se adaptar com um jogador a menos com a expulsão do Léo que fez falta dura no jogador do CEC. A torcida voltou a gritar gol após Elbinho em cobrança de pênalti marcar o terceiro.

O Rio Preto ainda tinha um problema na defesa. O goleiro Gabriel que se machucou no lance do primeiro gol do CEC no primeiro tempo, estava jogando no sacrifício, sentindo dores na parte de trás da coxa direita. A partida foi paralisada duas vezes para que ele fosse atendido.

Para complicar ainda mas a situação da equipe mineira, outro atleta foi expulso. Após entrada forte em cima do jogador do CEC, Fábio Júnior recebeu o cartão vermelho e deixou o campo mais cedo.
Na sequencia o time mineiro teve outro jogador expulso. Fazendo falta dura em cima do Elbinho, o jogador Salamargo recebeu cartão vermelho. A partida já se encaminhava para o encerramento, e o CEC já se sentia campeão. Mesmo com três jogadores expulsos e o goleiro jogando sentindo dores, o Rio Preto ainda conseguiu chegar duas vezes ao gol do CEC. O jogo chegou ao seu fim, e a espera do grito de campeão em definitivo também. Festa da torcida cabeceirense em Riachinho. Placar final, 3 para o CEC e 0 para o Rio Preto.


Categoria livre fica no vice
(Foto: Kassio Breno/Interativa87)
Precisando vencer por dois gols de diferença para conquistar o tetracampeonato, ou ganhar por um gol e igualar o resultado da primeira partida construída pelo Riachinho no estádio Divinão, o CEC teve várias oportunidades de gols, podendo até fazer os dois que necessitava para não levar a decisão para os pênaltis. Sem tirar o mérito do goleiro Saimon, que mais uma vez foi decisivo, fechou o gol e impediu que o time cabeceirense balançasse às redes. O goleiro foi gigante em quatro defesas importantíssimas. O primeiro tempo terminou em 0 a 0, ou 1 a 0 para os donos da casa devido a vitória em Cabeceiras.

Na segunda etapa o CEC voltou com a mesma pegada que na primeira, mas o Riachinho era perigoso e bem postado em campo. Sendo pressionado pela equipe adversária e vendo ela perder chances de abrir o placar, o Riachinho aproveitou um contra-ataque e o Tom fez o passe para Cleitinho que, ainda de costas para o gol virou e com dois passos foi de encontro com o goleiro Gilson que não conseguiu evitar o gol da equipe mineira.

(Foto: Kassio Breno/Interativa87)
O CEC ainda jogou boa parte do segundo tempo com um jogador a mais. O Riachinho teve expulso o Vinícius e na reta final da partida o CEC foi quem teve jogador indo mais cedo para fora de campo, o Chocolate que havia entrado no lugar do Diego fez falta em cima do Gabriel que chegaria livre de frente com o goleiro Gilson e na meia lua da grande área acabou derrubando o jogador do Riachinho e o árbitro Ruan não pensou duas vezes e aplicou o cartão vermelho, expulsando o jogador do CEC.

De igual para igual no número de jogadores, o CEC tentava o gol e o Riachinho já começava a administrar o resultado parando com pequenas faltas e na demora na cobrança de tiro de meta e lateral. Além de em alguns lances os jogadores desabarem em campo. O sol forte também foi responsável por várias paradas para atendimento dos atletas. O CEC que correu bastante, também sentiu, mas a vontade de buscar o gol era maior que o cansaço.

(Foto: Kassio Breno/Interativa87)

Reta final, os 45 minutos já estourados e a equipe ainda tinha mais 4 minutos dados pelo árbitro para tentar fazer o impossível, dois gols que levaria a decisão para os pênaltis. Mas assim como foi nas partidas anteriores, o CEC não foi eficiente nas finalizações e o fim do jogo foi decretado por Ruan.

(Foto: Kassio Breno/Interativa87)

Riachinho que ficou cinco anos fora do regional voltou, e o seu retorno não poderia ter sido melhor, conquista do título e invencibilidade sobre o CEC que não venceu os confrontos conta o time mineiro. Foram quatro jogos na competição sem vencer o Riachinho.

O grito de tetracampeão foi adiado e quem sabe não venha no ano que vem. A equipe chegou a marca histórica na competição participando de quatro finais seguidas, onde em 2014 conquistou o Bi jogando em casa, o Tri em 2015 fora de casa em Unaí (MG) e o vice no ano passado também em Unaí.

Galeria de fotos. FINAL DO CAMPEONATO REGIONAL DO NOROESTE DE MINAS 2017

Apoiadores da Interativa FM na Transmissão:
Andrei Pereira Leal e Família
Ronaldo Costa
Comercial Guimarães "A melhor experiência em comprar"
Professor de Educação Física, Cleiton "Pulguinha"
Mercado e Padaria Carmes "O rei dos preços baixos"
Ismael Martins
Prefeitura Municipal de Cabeceiras (GO)
Super Sobral "O herói da economia"
Parazão Construções
Tiago Ferrão
Luziano Martins (vereador de Formosa)
Luiz Inácio
Cerâmica Presidente
Fazenda Rotta
Vereador Pedro Ramos
Clique e Compartilhe :

0 comentários :

Deixe o seu comentário.

Os comentários são de responsabilidade dos autores.

PUBLICIDADE

Curta a nossa página no Facebook
 
Suporte : E-mail | Luciano Max®
Plataforma Blogger
Copyright © 2011. Rádio Interativa FM - Cabeceiras - GO - All Rights Reserved
Todos os Direitos reservados a Interativa FM 87,9 Trabalho e Sucesso